30 de abril de 2016

Bolo de Ervilhas

Yum
E eis que chegámos ao último dia do mês de Abril.
E com o final do mês acaba também a rúbrica que lancei no seu início, o mês dedicado às ervilhas!
Queria dar por terminada a rúbrica deste mês de uma forma que fosse absolutamente diferente, e por isso escolhi este bolo.




Pensem comigo: temos bolos de cenoura, de abóbora, de espinafres, de agrião, de beterraba, de batata…..   eis que chega o momento do bolo de ervilhas!
É um bolo diferente, certamente. Não vos vou dizer que é o melhor bolo que já provei, mas também vos digo que não é de todo o pior. É bastante agradável, com um sabor fresco, e perfumado, e não me arrependo nem um segundo de o ter feito.
Foi ótimo poder voltar a pôr em prática as técnicas que aprendi no WS da Migalha Doce. Foi uma receita que me deu muito prazer fazer, fotografar, e comer.
Por isso, asseguro-vos que esta rúbrica não poderia ter acabado de melhor forma!
Quero agradecer IMENSO, a todos, e foram muitos!, os que aceitaram o meu convite e se juntaram a mim nesta tarefa de usar este ingrediente de época, e encher uma mesa de receitas fabulosas e deliciosas.
Amanhã, divulgarei o próximo ingrediente para o mês de Maio, e convido-vos a sentarmo-nos todos à mesa, à nossa mesa, e a degustar as tantas e tão boas receitas que fomos trazendo.
Por agora desfrutem este fantástico Bolo de Ervilha!!





Ingredientes (para um bolo de 3 camadas de 16cm):
Receita adaptada daqui
Bolo
2 chávenas de Ervilhas Frescas
8 Folhas de Hortelã fresca
150g de Manteiga, à temperatura ambiente
120g de Açúcar
3 Ovos, à temperatura ambiente
2 c. chá de Extrato de Baunilha
240g de Farinha de Trigo
2 c. chá de Fermento em Pó
½ c. chá de Sal
Rebentos de Ervilha para decorar (opcional)

Recheio e cobertura
Swiss Merengue Buttercream
3 Claras de Ovo, à temperatura ambiente
230g de Manteiga amolecida (não é derretida!)
150g de Açúcar granulado
1 pitada de Sal
1 c. sopa de Extrato de Baunilha
Curd de Hortelã
½ chávena de Açúcar
1 c. sopa de Amido de Milho (vulgo Farinha Maizena©)
4 Folhas de Hortelã
½ chávena de Água
1 Gema de Ovo
½ c. chá de Extrato de Baunilha
1 c. sopa de Manteiga
Algumas gotas de Corante Alimentar Verde

2 c. sopa de Amêndoas Laminadas





Preparação:
Unte 3 formas de 16cm e polvilhe com um pouco de farinha.
Coloque uma panela ao lume com água suficiente para cozer as ervilhas, e deixe levantar fervura. Adicione as ervilhas e deixe cozinhar por não mais de 5 minutos.
Escorra a água, e coloque-as de imediato em água fria, para que parem o processo de cozedura e não percam a sua cor verde. De seguida coloque-as num passador de rede, para arrefecerem e escorrerem o máximo de água possível.
Coloque-as num processador de alimentos, juntamente com as folhas de hortelã, e processe até que esteja uma mistura bem homogénea e macia. Reserve.
Numa taça bata a manteiga e o açúcar até obter uma mistura bem cremosa.
Noutra tigela bata os ovos e o extrato de baunilha.
Adicione a mistura de ovo ao creme de manteiga e misture bem.
Junte as ervilhas e misture de novo.
Peneire a farinha, o fermento em pó e o sal.
Adicione a farinha à mistura de ervilhas, batendo continuamente.
Divide a massa uniformemente pelas formas e leve ao forno pré-aquecido a 180ºc por cerca de 35 minutos ou até que esteja cozido. Verifique se está cozido espetando um palito no centro da massa. Estará cozido quando o palito sair completamente limpo, sem massa.

Enquanto os bolos cozem prepare o curd de hortelã.
Numa panela média, misture o açúcar e o amido de milho. Adicione a água e as folhas de hortelã e cozinhe em fogo médio por 5 a 7 minutos ou até que engrosse ligeiramente. Coe a mistura, para retirar as folhas de hortelã.
Numa tigela, bata ligeiramente as gemas. Mexendo sempre, despeje um quarto da mistura de açúcar quente nas gemas. Adicione a mistura de gema de ovo de volta à restante mistura de açúcar quente, mexendo para misturar. Cozinhe em fogo médio por mais uns 4 minutos ou até engrossar, mexendo sempre. Retire do lume, adicione a manteiga e mexa até que esteja completamente derretida. Junte uma 2 a 3 gotas do corante alimentar verde, e envolva bem. Vá adicionando mais gotas até atingir a cor desejada.
Deixe arrefecer por completo antes de usar.
Nota: o que sobrar depois de rechear o bolo coloque num recipiente hermeticamente fechado e guarde no frigorífico até 2 semanas.

Retire os bolos do forno, e deixe que amornarem um pouco antes de os desenformar e retirar para uma rede, para arrefecerem por completo.

Enquanto os bolos arrefecem, prepare o buttercream.

O buttercream convém ser feito numa batedeira automática, senão será um processo demorado e bastante cansativo.

Aqueça um tacho com água ao lume - não é preciso muita água, só o suficiente para criar vapor de água, e para que não toque no fundo da taça que vai usar para bater as claras. Na taça da sua batedeira junte as claras, o açúcar e o sal e coloque a taça sobre o tacho – lembre-se que a taça não pode tocar diretamente na água, senão irá cozer as claras. Mexa energicamente com uma vara de arames até o açúcar se dissolver.
Nota: Se estiver a usar um termómetro as claras estarão no ponto para atingir os 140º. Sem o termómetro estão no ponto quando, ao esfregar os dedos com um pouco da mistura, já não se sentir os grãos de açúcar.

Transfira de imediato a taça para a batedeira, e comece a bater numa potência média-baixa, aumentando a potência gradualmente até ao máximo e bata as claras até que fiquem brilhantes e formem picos bem firmes, o que deve demorar cerca de 5 a 7 minutos. O tempo deste processo vai variar obviamente de acordo com a potência das vossas batedeiras. O importante é que o merengue fique bem firme.

Antes de juntar a manteiga a taça onde tem o merengue tem de estar completamente fria. Para acelerar o processo pode use um pano húmido ou um saco com gelo, enrolando-o à volta da taça da batedeira.

Quando a taça estiver fria ao toque, e numa velocidade média, adicione a manteiga aos poucos. Vá aumentando a velocidade gradualmente, até ao máximo. Deixe bater, sem parar, por cerca de 10-15 minutos, até obter um creme liso e macio.

Adicione o extrato de baunilha e voltar a bater para misturar.

Montagem
Se necessário acerte o topo dos bolos deixando a superfície uniforme e lisa, e para que os bolos fiquem os 3 do mesmo tamanho.
Espalhe um pouco de buttercream no prato onde vai servir o bolo. Este irá servir de "cola".
Coloque um dos bolos no prato ou base e cubra com buttercream usando um saco de pasteleiro, e fazendo anéis, começando na parte exterior e indo para o centro. Por cima do buttercream distribua as amêndoas.
Sobreponha o segundo bolo e comprima ligeiramente.
Volte a cobrir com buttercream, mas desta vez faça só dois anéis no lado exterior do bolo. Por cima destes dois anéis, e de modo a ficar no centro dos dois, faça um novo anel. No centro  do bolo, espalhe um pouco de curd de hortelã, de modo a que não ultrapasse a altura dos anéis de buttercream, ou correrá o risco do curd escorrer para fora.
Sobreponha o terceiro e ultimo bolo, fazendo uma pressão muito ligeira.
Barre o topo e preencha os espaços vazios laterais do bolo com buttercream. Com uma espátula, alise o topo do bolo e em toda a volta, até que o buttercream fique uniforme.

Decore a gosto com rebentos de ervilhas e coloque a refrigerar se não for para servir de imediato, tendo o cuidado de o retirar no mínimo 30 minutos antes de servir.

Bom Apetite!

27 de abril de 2016

Bolo de Carne com Arroz e Ervilhas

Yum





Ao primeiro olhar, esta receita pode parecer difícil de confecionar, mas a verdade é que é muito simples.
Tem vários passos, é certo, mas todos eles fáceis.

Resulta numa refeição ideal para os dias amenos de primavera que finalmente nos brindam, e pode servir tanto como entrada, ou refeição principal. A escolha é vossa.

Certo é que é uma refeição visualmente muito bonita, tornando a nossa mesa ainda mais especial. Não acham?



Ingredientes (4 a 6 pessoas):
Receita adaptada daqui

Camada 1
1 chávena de Mistura de Frutos Secos (usei pinhão, nozes pecan e amêndoas)
2 c. sopa de Manteiga sem sal

Camada 2
500g Carne Picada (usei mistura de porco e vaca) **
1 c. sopa de Azeite
1 c. sopa de Concentrado de Tomate
1 Cebola grande, picada
2 dentes de Alho, picados
1 folha de Louro seco
1 haste pequena de Tomilho-limão (usar só as folhas)
Sal e Pimenta, a gosto

Camada 3
500g Ervilhas
Sal, uma pitada

Camada 4
1 chávena de Arroz Jasmin Pato Real
2 chávenas de Água Quente
1 c. sopa de Creme Vegetal
Sal e Pimenta, a gosto

Preparação:

Camada 1
Numa panela pequena ou frigideira, e em fogo médio, salteie os frutos secos na manteiga até que fiquem dourados e aromáticos. Reserve.

Camada 2
Num tacho coloque o azeite, e refogue a cebola, os alhos e o louro, até que a cebola fique translúcida. Adicione o concentrado de tomate e deixe cozinhar mais uns segundos. Adicione a carne e tempere de sal e pimenta. Cozinhe até que a carne esteja tenra. Quando a carne estiver praticamente cozinhada junte as folhinhas de tomilho-limão e envolva bem na carne. Quando pronta retire do lume e reserve.
Nota: quando colocar a carne na forma, aconselho que a coloque sem que tenha muito caldo. Deverá escorrer o máximo que conseguir para que fique soltinha, para não se "colar" à forma, e assim facilitar a tarefa de desenformar.

Camada 3
Coloque uma panela com água temperada de sal ao lume, e quando a água estiver a ferver junte as ervilhas e deixe cozer por cerca de 3-5 minutos. De seguida, escorra e mergulhe-as em água gelada, para parar o processo de cozimento e para que mantenham a sua cor verde brilhante. Escorra-as e reserve.

Camada 4
Numa panela, em fogo médio, coloque o creme vegetal e quando estiver derretido junte o arroz, e deixe cozinhar por 1 minuto ou 2, até que o arroz fique branco em alguns pontos. Adicione a água quente. Deixe levantar fervura e em seguida, cubra o tacho e baixe o lume. Deixe cozinhar até que a água tenha sido completamente absorvida. Nessa altura apague o lume e deixe o arroz tapado por mais uns 5 minutos.

Montagem
Numa forma de bolo bundt, comece por espalhar uniformemente os frutos secos no fundo da forma.
Cubra com a carne, espalhando bem.
De seguida coloque as ervilhas.
Termine com a camada de arroz. Comprima o arroz com a ajuda das costas de uma colher de sopa, por exemplo, tão firme quanto possível, tentando fazer com que a superfície fique o mais plana possível, e de forma a compactar as camadas.
Cubra a forma com papel de alumínio e refrigere por uns minutos.

Cuidadosamente, vire o bolo sobre uma superfície plana (use o prato onde vai servir ou uma tábua, por exemplo), e deixe ficar assim a forma invertida por 1-2 minutos antes de desenformar.

Desenforme e sirva.

Nota: É natural de que o bolo perca a sua forma à medida que vá retirando porções.




26 de abril de 2016

Um Gelado de Alfazema e um projeto deliciosamente português!

Yum
Hoje, além de uma receita, venho apresentar-vos um projeto maravilhoso, delicioso, familiar, bem português, e com produtos elaborados com o que de melhor temos, feito por quem melhor sabe.

Se vos falar em Geleia de Vinho Branco com Lima e Hortelã, ou talvez num Doce de Morango com Pimenta Preta e Vinho do Porto, ou ainda num Doce de Framboesa com licor NUMANTINU (licor de uva tradicional de Freixo de Numão) já prendi a vossa atenção?

Prendi, não prendi?

Então vou-vos falar um pouquinho deste projeto, a Casa Painova.




A Casa Painova é um projeto familiar de transformação de produtos que tem como objetivo inovar na mistura de sabores, usando como base os produtos tradicionais da Região do Douro e Vale do Côa. 

Nas suas propriedades agrícolas, herança de família há mais de 12 gerações, trabalham três principais culturas: a amêndoa, o azeite e o vinho.
Neste momento dedicam mais tempo à amêndoa tradicional caramelizada com diferentes sabores e as geleias de vinho, mas das suas cozinhas saem ainda maravilhosas compotas e chutneys, elaborados com produtos biológicos e maioritariamente de produção própria.

Poderão descobrir mais deste projeto na página de Facebook, ou através do Catálogo que podem ver aqui.

Naveguem, descubram, e deixem-se encantar pelos deliciosos e diferenciados produtos que ali vão encontrar.


Para a receita que trago hoje, usei a Geleia de Vinho Rosé com Alfazema, que usei como topping de um fresco gelado de Alfazema.
Esta geleia foi criada pela Daniela Carneiro, uma das mentoras da Casa Painova, especialmente para o Dia da Mãe.

Aproveitando que o dia da Mãe que está quase, quase aí, experimentem mimá-la com um produto diferente e especial Casa Painova. Uma ideia diferente, deliciosa e inovadora de a mimarem!

Que dizem?




Ingredientes (para aproximadamente 400ml de gelado):
Receita original Anasbageri
100ml de Natas (quanto maior a % de gordura, mais cremoso fica)
150ml de Leite
2 Gemas
60g de Açúcar de Alfazema
Nota: como não tinha Açúcar de Alfazema, juntei 1 colher chá de flores de Alfazema desidratadas ao leite.
Geleia de Vinho Rosé com Alfazema Casa Painova, a gosto




Preparação:
Junte as natas e o leite num tachinho e leve ao lume. Adicione as flores de alfazema.
Numa taça batam as gemas e o açúcar até obter um creme leve e fofo.
Assim que a mistura de nata levantar fervura retire do lume. Coe para retirar as folhas de alfazema.
Com uma concha, misture aos poucos as natas na mistura de ovo. Quando estiver tudo misturado leve de novo a lume brando até engrossar. Não pare de mexer, até notar que o creme engrossou um pouco. (Temperatura de 73ºC, caso estejam a usar um termómetro.)
Passe o creme por um passador de rede fina, e coloque primeiramente no frigorífico até estar completamente frio.
Faça o gelado numa máquina de gelados, de acordo com as indicações da máquina.
No caso de não terem máquina de gelados, coloquem o gelado no congelador e de vez em quando batam o creme com a batedeira enquanto está a solidificar, para evitar que se formem cristais de gelo.

Depois do gelado pronto, sirva acompanhado com a Geleia de Vinho Rosé com Alfazema Casa Painova.


Deliciem-se!


25 de abril de 2016

Salada de Ervilhas e Creme de Couve-flor

Yum




Esta salada é maravilhosa!

A receita original é do chef George Calombaris, que conhecemos mais que não seja por ser um dos chefs do programa televisivo MasterChef Austrália – o único que gosto realmente de seguir.

Embora o formato seja quase igual para todos os países que o adotaram, o facto é que o australiano tem uma química que não consigo encontrar nos outros. É diferente. E para melhor. Muito melhor. É neste que encontro uma vertente muito mais humana, muito mais pedagógica, muito mais apaixonada pela arte de cozinhar e de destacar o melhor que existe em cada um dos concorrentes, sem humilhações, competição dura e desleal, pedantismos e arrogâncias.

Opiniões e desabafos à parte, esta receita é caso para dizer que quem sabe, sabe.
Tudo combina maravilhosamente, e cada sabor se destaca a seu tempo, enquanto balança na nossa boca.

Só vos posso dizer, não deixem de a experimentar, por favor.



Ingredientes (4 pessoas):
adaptada da receita original daqui
Salada
2 c. sopa de Azeite
1 Cebola, picada
300ml de Natas Gordas (45% de gordura) *
500g de Couve-flor, aparada e cortada em pequenos floretes
240g Ervilhas frescas ou congeladas
50g de Amêndoas laminadas
Óleo vegetal, para fritar
Algumas folhas de Rúcula e Agrião (opcional)
Uma pitada de Sal e Pimenta
Sal  de Oregãos
1/4 c. chá de Oregãos secos
1/4 c. chá de Flor de Sal
1/4 c. chá Açúcar refinado
Molho de limão
1 c. sopa Sumo de Limão
2 ½ c. sopa de Azeite
* Como as natas que tinha em casa só tinham 35% de gordura fiz o seguinte: tirei as natas do frigorífico, e virei o pacote ao contrato, cortando a parte do pacote que agora está virada para cima. Nesta parte vai estar concentrado o soro das natas. Então escorri-o por forma a ficar só mesmo com a parte gorda das natas. É muito gordo, eu sei, mas nesta receita em particular o que queremos é dar o máximo de sabor à couve-flor.

Preparação:
Aqueça o azeite numa frigideira em fogo médio, adicione a cebola e cozinhe até ficar translúcida. Adicione as natas e metade da couve-flor e cozinhe lentamente, em fogo baixo, por 10-12 minutos ou até que fique macia, mexendo sempre para evitar que as natas queimem. Tempere com uma pitadinha de sal e pimenta. Coe, reservando o líquido.
Transfira a couve-flor e a cebola para um processador de alimentos e processe até obter um puré liso, adicionando um pouco das natas do cozimento se necessário.

Coloque uma panela pequena com água temperada de sal ao lume, e quando a água estiver a ferver junte as ervilhas e deixe cozer por cerca de 3-5 minutos. De seguida, coe e mergulhe-as em água gelada, para parar o processo de cozimento e para que mantenham a sua cor verde brilhante. Escorre-as e reserve.

Pré-aqueça o forno a 180°C.

Para fazer o sal de orégãos, misture-os com o sal e o açúcar numa taça pequena.

Toste as amêndoas no forno por cerca de 10 minutos ou até que estejam douradas.

Para fazer o molho de limão, misture o sumo de limão e o azeite. Tempere a gosto com sal de orégãos.

Aqueça o óleo para fritar numa fritadeira a 180°C. Frite os restantes floretes de couve-flor até que estejam douradinhos. Retire com uma escumadeira e escorra em papel de cozinha. Tempere a gosto com sal de orégãos.

Numa tigela, misture as ervilhas, a couve-flor, as amêndoas e o molho de limão.

Coloque o purê de couve-flor no prato de servir, alise, e por cima coloque as folhas de rúcula e agrião (ou outros vegetais a gosto, se os estiver a usar). Distribua por cima do purê a mistura de ervilhas e a couve-flor. Finalize o prato polvilhando a salada com as amêndoas tostadas.

Sirva frio.





Bom apetite!

24 de abril de 2016

Tarteletes de Atum e Ervilhas

Yum
Aqui há dias, toda animada com uma receita que tinha visto numa revista e que me andava a tentar já há uns tempos, fui para a cozinha determinada que seria naquele dia que a faria.
Preparei tudinho, lindinha, li a receita algumas 3 vezes – para não dar asneira do género entretanto perceber que deveria ter adicionado não sei o quê antes de fazer não que outro…toda certinha lá fui fazendo a receita, que até era bastante fácil de preparar.

Refeição pronta chamei os comensais.

Sentados, fomos conversando, e os meus críticos gastronómicos amadores foram começando a comer… o entusiasmo a comer não estava a ser o de costume, e à primeira garfada percebi o porquê…. Não se pode dizer que era uma má receita, mas também não posso dizer com sinceridade que era boa.

Sem que mais ninguém tivesse coragem de dizer o que pensava, o meu mais novo virou-se para mim e perguntou:

-Mãe, tu não vais pôr isto no Google, pois não?
-Então porquê filhote?
-Porque senão as pessoas vão ficar todas de cabelos no ar!

Depois de umas risotas, concordámos todos que aquela não seria uma boa receita a colocar no “Google”…

Agora sempre que lhes dou uma receita a provar a pergunta que se impõe é:
 “-Então o que acham? Posso pôr no Google??”  J

A receita que trago hoje, o meu pirralhito achou que estava 7 estrelas, que na sua escala particular é “bom demais”!






Ingredientes (12 Und.):
~2 c. sopa de Azeite
1 Cebola, picada
2 dentes de Alho, picados
1 c. sopa de Amido de Milho (vulgo farinha Maizena©)
200ml de Leite
2 Latas de Atum
1 c. sopa de Concentrado de Tomate
2 c. sopa de Queijo Ralado
1 chávena de Ervilhas frescas ou descongeladas
Coentros frescos e Hortelã fresca, picados e a gosto
Sal e Pimenta a gosto

Preparação:
Num tachicho coloque o azeite. Junte a cebola e os alhos e leve a refogar até que a cebola fique translúcida. De seguida adicione o concentrado de tomate, e envolva. Adicione o amido de milho e envolva muito bem. Junte cerca de metade do leite, aos poucos, mexendo sempre. Mantenha nesta fase o lume médio/baixo.

Escorra o atum, e adicione-o ao preparado anterior, bem como as ervilhas. Envolva bem e de seguida junte o restante leite. Adicione o queijo, e cozinhe até que este esteja quase derretido. Salpique com uma pitada de sal e pimenta acabada de moer.

Retire do lume, junte as ervas aromáticas, e envolva. Retifique os temperos, se necessário.

Deixe arrefecer, ou pelo menos amornar.

Pré-aqueça o forno a 180ºC.

Forre 12 formas de mini tartes (eu usei de queques) com a massa fina.
Distribua o recheio pelas formas, e leve ao forno cerca de 15 a 20 minutos, até que a massa esteja cozida e ligeiramente dourada nas bordas.

Retire do forno, e deixe as tartes amornarem antes de as retirar das formas.

Desenforme, retire a folha de papel vegetal que as protege, e sirva.


Bom apetite.



21 de abril de 2016

Arroz Integral com Ervilhas e Ovo Escalfado

Yum



Desde que comecei a minha parceria com o arroz Pato Real© que ando para fazer um post mais dedicado ao Arroz Integral Pato Real Minuto©. Embora corra o risco de a minha opinião parecer tendenciosa, não posso deixar de dizer o quanto adoro este arroz. Tem um sabor riquíssimo, e a mais-valia clara de ficar pronto literalmente num minuto.

Em muito dias tem sido a minha salvação para conseguir manter um registo de refeições saudáveis. Chegar a casa por vezes às 20h30, com rapaziada com banhos por tomar, jantar por fazer, pôr a conversa em dia, e o mais tardar 22h00 os miúdos estarem na cama a dormir, requer alguma ginástica e improviso. E principalmente nesses dias o arroz da Pato Real© tem sido uma ajuda valiosíssima. Os miúdos adoram-no, chamam-lhe o “arroz escuro bom”, e tem sido tranquilizador saber que tenho esta ajuda e que, de uma forma muito prática e rápida, posso dar-lhes um ingrediente saudável e nutritivo.

A proposta que trago hoje prepara-se em menos de 10 minutos, é saudável e plena de sabor. Que mais se pode pedir?

Experimentem, tenho a certeza que vão gostar.




Ingredientes (1 pessoa):
1 Emb. 125g de Arroz Pato Real Minuto©
1 Ovo
¾ chávena de Ervilhas, cozidas
Flor de Sal  e Pimenta, a gosto
Água e Vinagre (~1 dl de vinagre para 1 L de água)

Preparação:
Prepare o Arroz Pato Real Minuto©, levando-o ao micro-ondas durante 1 minuto na potência máxima – tenha o cuidado de levantar um pouco a pelicula que tapa a embalagem, e quando o retirar do micro-ondas, retire-o com muito cuidado, pois a embalagem vai estar quente.
Retire o arroz para a taça ou prato onde vai servir, junte as ervilhas e misture. Reserve quente enquanto prepara o ovo.

Leve ao lume um tacho com água, vinagre e uma pitada de sal. Deixe levantar fervura. Reduza a temperatura, mantendo a água apenas a borbulhar. Abra o ovo para dentro de uma tacinha e faça-o deslizar cuidadosamente para a água. Com a ajuda de uma colher de sopa, e fazendo movimentos circulares na água, junte rapidamente as claras em torno da gema.

Deixe cozer durante cerca de 3 minutos. Retire o ovo com uma escumadeira e coloque-o sobre o arroz.

Salpique com um pouco de flor de sal e pimenta acabada de moer, e sirva de imediato.


Bom Apetite!
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...